Mude o tamanho do texto: A A A

Baderna generalizada

Que país é este, companheiro? Diria até mesmo um menos aquinhoado pela leitura ou analfabeto. A confusão está formada e é onde a Justiça faz de conta (em determinados setores), o Legislativo se sente independente e o Executivo (como ultimamente está ocorrendo) também se torna o centro das atenções.

Nunca o Brasil viveu momentos tão conturbados como agora. E tudo está acontecendo com maior ênfase por causa da palavra “delação”. Uns dizem ser premiada, enquanto outros a colocam como uma maneira correta de se redimir, ou então se saber, tirar o seu da reta e colocar alguns outros como maiores culpados.

Muitos dizem que esta parafernália começou, de verdade, na era petista, quando negociatas de bastidores foram firmadas, mas na verdade o partido somente aguçou a chamada fome, com a vontade de comer.

A isca foi lançada e os peixes, tido como graúdos (entende-se que foram mais testas de ferro, como dito na gíria popular) se tornaram vorazes. Tudo em nome da sobrevivência financeira, citando como exemplos maiores, a JBS (e correlatas do mesmo grupo), Eike Batista (vejam as coincidências de sobrenomes) sobre o ombro amigo de Lula.

Citar empreiteiras passou a ser secundário, muito embora tenham elas, também, as suas culpas de terem se envolvido nas maracutaias inerentes, tendo também o ex-presidente como envolvido maior, de novo, o Sr.Lula da Silva, muito embora ele negue, peremptoriamente.

Agora a pergunta: quem está causando, em maior incidência, esta total parafernália, o ministro Gilmar Mendes (e outros pares), o Congresso ou o Governo?

Dá para imaginar que dentre em pouco ninguém terá culpa de nada; que na verdade os verdadeiros culpados são os eleitores, que não sabem escolher, que não são conscientes ao votarem naqueles que realmente querem o bem do nosso querido Brasil.

Conforme um cientista político muita coisa precisa mudar neste pais, para que possamos ter a tranquilidade de trabalhar honestamente, ganhar honestamente, e não fazendo conluios obscuros com governos e é isto que ocorreu (e está acontecendo???) e tende a continuar, com as autoridades ficando manietadas ou colaborando para este aumento.

O governo está certo de que trilha o caminho da corrupção, dos acordos espúrios (mantendo no seu quadro muitos outros corruptos); no Legislativo acontece o que acontece, com quase todo o seu quadro (para não dizer na sua totalidade) engalfinhados na mesma bateia, enquanto no Judiciário, com os seus membros escolhidos pelos dois primeiros, faz o que faz, com a desculpa de estar salvando o país da bancarrota.

Na verdade o que podemos fazer é ficar proseando, fazendo prognóstico, como no futebol. O brasileiro, como masoquista que é e esquece fácil o que o político faz, com certeza voltará a depositar o seu voto na esperança de que ele (o político) irá trilhar, desta feita, o caminho do bem e fazer para este mesmo povo o que ele deveria merecer…

Seja o primeiro a comentar sobre "Baderna generalizada"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*