Mude o tamanho do texto: A A A

A marca da desonra

Fica patenteado que a vida pregressa do ex-presidente Lula da Silva não fica estagnada com a sua recente prisão, cumprida pelo juiz Sérgio Moro,, sob orientação da turma do TRF4, que continua mais firme e controlada, psicologicamente, do que a do STF.

Mesmo com as sinalizações de distúrbios, a Primeira e Segunda Instâncias se mantiveram coesas e arguidas das tramitações aprovadas pelas impostas pelos poderes Executivo e Legislativo (um apontando e outro aprovando) que nunca imaginavam terem que julgar um ex-presidente e muito menos o Lula.

Também temos que observar que a coerência falou mais alto através da ministra Rosa Weber e a presidente do STF, Carmen Lúcia; esta última com o voto de minerva, que fez valer a Lei. Vale ressaltar que se ela votasse à favor do julgamento do Habeas Corpus de Lula, hoje, mesmo com o que estava escrito e ratificado (prisão em 2ª. Instância) ele seria santificado. É o que pensa a maioria dos brasileiros.

Temos também que analisar que o impoluto ainda tem mais 06 processos pela frente, o que demonstra que mesmo tentando enganar a si mesmo de que nunca fez nada de errado, os argumentos ficam sem sustentação. psicológica e jurídica.

A ganância de Lula e seus correlatos foram além do que sempre é programado pelos que querem subir na política para tirar proveitos. Deu no que deu, muitos foram presos, antes dele, outros continuam se escorando, mas com suas consciências decrescendo e, nem dormindo direito, imaginamos.

Também se pode observar que a corrupção graça em todos os meios, em todas as camadas ligadas a política e suas correlações. São raras as exceções dos que podem dizer que é honesto, em todos os sentidos. Sempre há um resquício, com incidência maior nos poderes Executivo e Legislativo, sobrando, imagina-se, também para o Judiciário.

Vale lembrar, daquela velha frase do cantor de que “se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão!!!”. A esperança dos brasileiros que não são baderneiros. e nem corruptores, é que a parte sadia (se é que existe na sua totalidade) passe a ter perspectiva de dias melhores.
De uma forma ou de outra, mudanças profundas estão sendo realizadas graças ao juiz Moro e alguns colegas do mesmo patamar, que não sendo nomeados exigem mais de sí e de outros poderes que não o são.

Nota-se também que as bordoados, daqui e dali vão continuar, mesmo a contragosto de algumas autoridades dos poderes constituídos que ficam na expectativa de que as prisões voltem a ocorrer somente depois da 3ª. Instância.

Lá no Supremo Tribunal Federal deve estar havendo alguns arrependidos de terem defendido a prisão na 2ª. Instância, que passou a sacrificar todos os ladrões do País, ou seja, dos ladrões de galinha ao ladrão do colarinho branco.

Ontem foi o Lula, hoje vai ter mais e amanhã os aécios, os temer, os lulinhas e as dilmas vão também se fazer presente para prestarem contas dos seus desatinos…

Deus é pai!!!

Seja o primeiro a comentar sobre "A marca da desonra"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*