Mude o tamanho do texto: A A A

A falta de escrúpulo

Chegou o tempo das descobertas, do escarafunchar na vida dos inescrupulosos. Isso em todos os cantos e recantos do País. Já havia, tempos antes, arremedos de descobertas dos mal feitos de alguns, por parte das engrenagens (enferrujadas) anticorrupção, mas que, infelizmente, eram sobrepujadas por negociações de bastidores que envolviam quase a grande maioria dos poderes constituídos.

Tempos antes começou a surgir no horizonte uma nova leva de promotores e juízes que começaram a esmiuçar, com verdadeiro idealismo e profissionalismo, os porões da desonestidade reinante. Foi um arremeto que deu certo aqui (em Mato Grosso) e alhures (em todo o País).

Haveremos de ressaltar, no entanto, que a verdadeira fase das descobertas foi efetivada quase que por acaso, como todos nós ficamos sabendo, que a Operação Lava Jato, em nível federal.

Dela, surgiram várias demandas que culminaram e culminam com os desmanches de vários formigueiros esparramados pelos demais cantos do Brasil, com ênfase maior em Brasília, foco maior dos que ainda detém o mando da corrupção, que são os políticos e outras ramificações nos poderes constituídos.

Para os estudiosos do tema a salvação maior de tal derrocada se deve ao trabalho da equipe (promotores, Polícia Federal e juízes), com predominância maior para o Juiz Sérgio Moro, que iniciou as buscas e apreensões de figuras até então inacessíveis e as delações tidas como premiadas.

Foi e está sendo um trabalho exaustivo, mas producente, em primeira instância, oportunidade em que tirou a máscara de muitos até então tidos como inatacáveis, como Lula, da Silva, Cunha e muitos outros que estão na bica para serem execrados, mas não manietados por força da expectativa de uma tal de segunda e terceira instância, onde poucos serão os escolhidos para terminarem os seus dias de glória numa cadeira pública.

Mato Grosso não fica atrás desta parafernália da corrupção. Comprova isto as últimas provocadas pela delação premiada (???) de um ajudante de ordens de Blairo Maggi, Silval Barbosa, que se alvorou, também de pseudo líder de uma quadrilha de várias tentáculos.

Atrás de uns, vem outros. O novelo está sendo escarafunchado. Quiçá haja punições, de verdade. Barbosa foi penalizado e execrado. Falta agora punir os seus assessores macabros de tais falcatruas.

Que os processos, daqui, de Brasília e de outros recantos não caduquem, ou sejam, arquivados, como estão sendo feitos nas segundas instâncias.

O povo está atento e ansioso por verdadeiras renovações. Que em exemplo a juízes e promotores audazes tenhamos também eleitores conscientes de seus deveres como cidadãos, também honestos.

Ainda há uma esperança. A luzinha está surgindo no fim do túnel…

Seja o primeiro a comentar sobre "A falta de escrúpulo"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*